Fantasia, Ficção científica, Review, Roth

Gravar as Marcas de Veronica Roth

Plot summary:
Numa galáxia dominada pela corrente, todos têm um dom.
Cyra é a irmã do tirano cruel que governa o povo de Shotet. O dom-corrente de Cyra confere-lhe dor e poder, que o irmão explora, usando-a para torturar os seus inimigos. Mas Cyra é muito mais do que uma arma nas mãos do irmão; é resistente, veloz e mais inteligente do que ele pensa.
Akos é filho de um agricultor e do oráculo de Thuvhe, a nação-planeta mais gelada. Protegido por um dom-corrente invulgar, Akos possui um espírito generoso e a lealdade que dedica à família é infinita. Após a captura de Akos e do irmão, por soldados Shotet inimigos, Akos tenta desesperadamente libertar o irmão, com vida, custe o que custar.
Então, Akos é empurrado para o mundo de Cyra, onde a inimizade entre ambas as nações e famílias aparenta ser incontornável. Ajudar-se-ão mutuamente a sobreviver ou optarão por se destruir um ao outro?

Review:
Quando comecei este livro tinha grandes expectativas. A ideia/tema tinha tudo para ser bom. Estas expectativas, infelizmente, não se concretizaram.

A história é desenvolvida num planeta distante, os seus habitantes têm dons que, para uns são bons, e para outros são um grande fardo. Para uma das personagens principais, Cyra, é um grande fardo, pois provoca dor nas pessoas. 
A ideia desta história é muito boa, as personagens, as diferentes civilizações, mas depois perde todo o encanto no desenvolvimento.

Na leitura deste livro senti que parecia que a história nunca mais acabava.  Os eventos desenvolvem-se de forma bastante lenta, o que acabava por se tornar cansativo. A sensação com que ficamos é que parece que só acontece alguma coisa de 50 em 50 páginas. E, assim, acontecimentos que nos podiam agarrar acabam por se tornar secantes.
Durante todo o livro as coisas que não precisavam de ser prolongadas, foram prolongadas e depois no final foi tudo contado a correr. E conseguimos mesmo ver isso até pelo tamanho dos capítulos, inicialmente são capítulos de 20 a 30 páginas e no final temos capítulos de 4 a 5 páginas.
Senti que o final desta história merecia mais, merecia ser melhor explicada.

A minha cotação para este livro concentra-se bastante nas suas personagens. Gostei da sua caracterização, as marcas no corpo que simbolizam as mortes; umas personagens transmitem tranquilidade e outras prevêem o futuro… 
E também achei interessante o conceito de destino, onde encontramos a definição de que qualquer pessoa pode ter um destino, mas não um futuro. 

2 estrelas, foi uma leitura um pouco cansativa, as personagens é que ainda foram salvando a história. Aconselho este livro para ler em conjunto com outros e não para ler de seguida. Se houver um segundo livro, vou querer lê-lo só pela curiosidade do que pode ou não acontecer às personagens numa nova fase das suas vidas.

Esta opinião tem o apoio da Harper Collins Portugal.

Publicado por Helena como autora no blog MaggieBooks.

Comments

comments