Auster, Review, Romance

Sunset Park de Paul Auster

Esta foi a minha primeira experiência com Paul Auster e infelizmente não fiquei fascinada.
A tradução dificultou-me bastante a leitura, encontrei alguns erros e muitas vezes tinha que reler partes. Obviamente a culpa não é do autor mas prejudicou-me um pouco a experiência.

Plot summary:
Durante os meses sombrios do colapso económico de 2008, quatro jovens ocupam ilegalmente uma casa abandonada em Sunset Park, um bairro perigoso de Brooklyn.
Bing, o cabecilha, toca bateria e dirige o Hospital das Coisas Escangalhadas, onde conserta relíquias de um passado mais próspero. Ellen, uma artista melancólica, é assaltada por visões eróticas. Alice está a fazer uma tese sobre a forma como a cultura popular encarava o sexo no pós-guerra. Miles vive consumido por uma culpa que o leva a cortar todos os laços familiares. Em comum têm a busca por coerência, beleza e contacto humano.
São quatro vidas que Paul Auster entrelaça em tantas outras para criar uma complexa teia de relações humanas, num romance sobre a América contemporânea e os seus fantasmas. 

Nesta história, capa capítulo descreve a vida/sentimentos de cada uma das personagens: Miles, Morris, Willa, Mary-Lee Swann, Ellen, Alice, Bing. E, como estes lidam com as suas dificuldades económicas, mas também psicológicas. Devido às grandes dificuldades económicas decidem mudar-se para uma casa abandonada em  Sunset Park. Nesta casa ficamos a conhecer as lutas pessoais que cada um está a passar e que guardam para isso mesmos. Este livro transmite a ideia de que podemos ver/viver com uma pessoa todos os dias e não sabemos o que se passa com ela.

A personagem mais marcante foi, sem dúvida, Miles. Esta personagem todos os dias procura coerência, não sabe como deve viver com as memórias do passado. Enquanto Miles foge, literalmente, do contacto humano, Ellen, procura-o intensamente.
Ellen foi a personagem que, para mim, contribuiu menos para a narrativa. Ao acompanhar o seu desenvolvimento, senti que não sofreu uma evolução do início ao final da história.

Bem, o final é outra questão a considerar. Fiquei com a sensação de que o autor não acabou a história, senti que a deixou a meio. Durante toda a narrativa sabemos que vai acontecer alguma coisa e quando acontece, a história acaba, não sabemos o que acontece a cada uma das personagens.
Quando acontece alguma coisa marcante em qualquer história, estamos habituados a saber o que acontece às personagens depois desse momento, como reagiram, como lidaram com a situação. Nesta narrativa, a única certeza que temos é que o final não é feliz.

Tenho alguma curiosidade em relação a outros títulos deste autor, se já leram outros livros partilhem a vossa opinião nos comentários.

Aconselho-vos a ler este livro pelo tema retratado e pela forma como a história é contada, por isso, dei 3 estrelas no Goodreads.

Comments

comments