Comédia, Fantasia, Ficção, Review

Bons Augúrios de Neil Gaiman & Terry Pratchett

Plot summary:
Este é o livro mais divertido alguma vez escrito sobre o Armagedão. Não vale a pena reler esta última frase, caro leitor, foi mesmo isso que se quis dizer. «Mas como é que um livro sobre o fim do mundo pode, de algum modo, ser cómico?» Ora aí é que está, caríssimo leitor, a explicação é óbvia – esta obra foi escrita por dois dos mais geniais autores de fantasy da actualidade. Ao sabor das suas endiabradas penas, até o mais inverosímil pode assumir a aparência de algo plausível! Neil Gaiman e Terry Pratchett criaram um texto que, ao fundir a fantasia e a comédia, resulta absolutamente jocoso, satírico inventivo e cheio de sabedoria.

Review:
Crowley, um demónio confuso e o seu velho “amigo” Aziráfalo, um anjo. Ambos vivem entre os humanos há muito muito tempo e quando chega o apocalipse unem forças para o tentar impedir.

No entanto, é errado destacar apenas estes dois. É uma história cheia de personagens peculiares, muito bem construídas e todas elas importantes para o enredo. Cruzamo-nos com demónios, bruxas, caçadores de bruxas, freiras satânicas, Deus e o Anticristo. O Anticristo é uma criança chamada Adão com o seu cão do inferno chamado Cão (um rafeiro atormentador de gatos).
Temos ainda mais personagens secundárias que acrescentam valor à história, houve uma em particular que achei muito engraçada, o carteiro. Ele não entrega simplesmente as encomendas em casa, vai mesmo ao encontro da pessoa esteja ela onde estiver. Numa das suas entregas o destino é “em todo o lado”.

Banda desenhada, Melo, Review

Os Vampiros de Filipe Melo, Juan Cavia (Illustrator)

Plot summary:
Guiné, Dezembro de 1972. Em plena guerra colonial, um grupo de soldados portugueses é destacado para uma operação secreta no Senegal. Porém, à medida que vão sendo consumidos pela paranóia e pelo cansaço, esta missão aparentemente simples vai transformar-se num verdadeiro pesadelo. Embrenhados na selva, estes homens terão de contar com sucessivos demónios – os da guerra e os que trouxeram consigo.

Review:
Bem… tudo o que tenha como tema a guerra colonial torna-se logo interessante para mim. É um tema que que faz parte do meu percurso académico e gosto de ler sempre mais sobre o assunto.

Nesta banda desenhada, muito bem ilustrada, encontramos um retrato da guerra colonial e das suas vítimas. Aqui são retratados os dois lados: os combatentes portugueses e os locais.

Fantasia, Ficção científica, Review, Roth

Gravar as Marcas de Veronica Roth

Plot summary:
Numa galáxia dominada pela corrente, todos têm um dom.
Cyra é a irmã do tirano cruel que governa o povo de Shotet. O dom-corrente de Cyra confere-lhe dor e poder, que o irmão explora, usando-a para torturar os seus inimigos. Mas Cyra é muito mais do que uma arma nas mãos do irmão; é resistente, veloz e mais inteligente do que ele pensa.
Akos é filho de um agricultor e do oráculo de Thuvhe, a nação-planeta mais gelada. Protegido por um dom-corrente invulgar, Akos possui um espírito generoso e a lealdade que dedica à família é infinita. Após a captura de Akos e do irmão, por soldados Shotet inimigos, Akos tenta desesperadamente libertar o irmão, com vida, custe o que custar.
Então, Akos é empurrado para o mundo de Cyra, onde a inimizade entre ambas as nações e famílias aparenta ser incontornável. Ajudar-se-ão mutuamente a sobreviver ou optarão por se destruir um ao outro?

Review:
Quando comecei este livro tinha grandes expectativas. A ideia/tema tinha tudo para ser bom. Estas expectativas, infelizmente, não se concretizaram.

A história é desenvolvida num planeta distante, os seus habitantes têm dons que, para uns são bons, e para outros são um grande fardo. Para uma das personagens principais, Cyra, é um grande fardo, pois provoca dor nas pessoas. 
A ideia desta história é muito boa, as personagens, as diferentes civilizações, mas depois perde todo o encanto no desenvolvimento.

Na leitura deste livro senti que parecia que a história nunca mais acabava.  Os eventos desenvolvem-se de forma bastante lenta, o que acabava por se tornar cansativo. A sensação com que ficamos é que parece que só acontece alguma coisa de 50 em 50 páginas. E, assim, acontecimentos que nos podiam agarrar acabam por se tornar secantes.
Durante todo o livro as coisas que não precisavam de ser prolongadas, foram prolongadas e depois no final foi tudo contado a correr. E conseguimos mesmo ver isso até pelo tamanho dos capítulos, inicialmente são capítulos de 20 a 30 páginas e no final temos capítulos de 4 a 5 páginas.
Senti que o final desta história merecia mais, merecia ser melhor explicada.

A minha cotação para este livro concentra-se bastante nas suas personagens. Gostei da sua caracterização, as marcas no corpo que simbolizam as mortes; umas personagens transmitem tranquilidade e outras prevêem o futuro… 
E também achei interessante o conceito de destino, onde encontramos a definição de que qualquer pessoa pode ter um destino, mas não um futuro. 

2 estrelas, foi uma leitura um pouco cansativa, as personagens é que ainda foram salvando a história. Aconselho este livro para ler em conjunto com outros e não para ler de seguida. Se houver um segundo livro, vou querer lê-lo só pela curiosidade do que pode ou não acontecer às personagens numa nova fase das suas vidas.

Esta opinião tem o apoio da Harper Collins Portugal.

Publicado por Helena como autora no blog MaggieBooks.

Clássicos, Ficção, Ficção científica, Golding, Review

O Deus das Moscas de William Golding

Plot summary:
Publicado originalmente em 1954, O Deus das Moscas é um dos mais perturbadores e aclamados romances da atualidade.
Um avião despenha-se numa ilha deserta, e os únicos sobreviventes são um grupo de rapazes. Inicialmente, desfrutando da liberdade total e festejando a ausência de adultos, unem forças, cooperando na procura de alimentos, na construção de abrigos e na manutenção de sinais de fogo. Porém, à medida que o frágil sentido de ordem dos jovens começa a fraquejar, também os seus medos começam a tomar sinistras e primitivas formas. De repente, o mundo dos jogos, dos trabalhos de casa e dos livros de aventuras perde-se no tempo. Agora, os rapazes confrontam-se com uma realidade muito mais urgente – a sobrevivência – e com o aparecimento de um ser terrível que lhes assombra os sonhos.

Review:
Bem, toda a gente com quem falei durante a Feira do Livro de Aveiro dizia que este livro era muito bom, por isso, tinha grandes expetativas quando o comecei a ler. Mas tenho de confessar que esperava mais, esperava mais devido a todos os elogios que ouvi.

Eu gostei do livro, mas acho que teria gostado mais se não tivesse ouvido todas as opiniões sobre ele. A leitura foi bastante acessível e fluída e estão sempre coisas a acontecer, li este livro num dia basicamente.