Auster, Review, Romance

Sunset Park de Paul Auster

Esta foi a minha primeira experiência com Paul Auster e infelizmente não fiquei fascinada.
A tradução dificultou-me bastante a leitura, encontrei alguns erros e muitas vezes tinha que reler partes. Obviamente a culpa não é do autor mas prejudicou-me um pouco a experiência.

Plot summary:
Durante os meses sombrios do colapso económico de 2008, quatro jovens ocupam ilegalmente uma casa abandonada em Sunset Park, um bairro perigoso de Brooklyn.
Bing, o cabecilha, toca bateria e dirige o Hospital das Coisas Escangalhadas, onde conserta relíquias de um passado mais próspero. Ellen, uma artista melancólica, é assaltada por visões eróticas. Alice está a fazer uma tese sobre a forma como a cultura popular encarava o sexo no pós-guerra. Miles vive consumido por uma culpa que o leva a cortar todos os laços familiares. Em comum têm a busca por coerência, beleza e contacto humano.
São quatro vidas que Paul Auster entrelaça em tantas outras para criar uma complexa teia de relações humanas, num romance sobre a América contemporânea e os seus fantasmas. 

Nesta história, capa capítulo descreve a vida/sentimentos de cada uma das personagens: Miles, Morris, Willa, Mary-Lee Swann, Ellen, Alice, Bing. E, como estes lidam com as suas dificuldades económicas, mas também psicológicas. Devido às grandes dificuldades económicas decidem mudar-se para uma casa abandonada em  Sunset Park. Nesta casa ficamos a conhecer as lutas pessoais que cada um está a passar e que guardam para isso mesmos. Este livro transmite a ideia de que podemos ver/viver com uma pessoa todos os dias e não sabemos o que se passa com ela.

Dostoiévski, Review, Romance

Noites Brancas de Fiódor Dostoiévski

Hoje trago-vos mais um livro de Dostoiévski, porque Dostoiévski nunca é de mais!

Plot summary:
Numa noite luminosa, numa ponte sobre o rio Neva, um sonhador depara-se com uma mulher em lágrimas. Petersburgo está mergulhada em mais uma das suas noites brancas, um fenómeno que faz as noites parecerem tão claras quanto os dias e que confere à cidade a atmosfera onírica ideal para o encontro entre essas duas almas perdidas.

Neste livro começamos por conhecer o sonhador, sem nunca sabermos o seu nome. Este vive em Petersburgo e sente que nunca teve uma plena inserção na sociedade, ao longo da narrativa vamos assinstindo à forma como lida com a sua solidão. Nos seus passeios pela cidade apercebe-se que as casas, as ruas, os sítios são os seus únicos amigos e não propriamente as pessoas.

Dostoiévski, Review, Romance

Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski


Fiódor Dostoiévski foi um escritor, filósofo e jornalista russo, considerado um dos maiores romancistas da história. Encontramos neste autor uma exploração do suicídio, da loucura e do homicídio, ou seja, este analisa todos os acontecimentos que levam a estes estados.

Plot summary:
Datado de 1866, este é o primeiro dos grandes romances que Dostoiévski escreveu já em plena maturidade literária, sendo, provavelmente, a mais bem conhecida de todas as suas obras. Recriando um estranho e doloroso mundo em torno da figura do estudante Raskólnikov, perturbado pelas privações e duras condições de vida, é uma das obras por excelência fundadoras da modernidade. Pelo inexcedível alcance e profundidade psicológica, sobretudo no que implica a exploração das motivações não conscientes e a aparente irracionalidade nos comportamentos das personagens, este autor russo tornou-se uma referência universal na literatura, sem perda de continuidade até aos nossos dias. 

Este foi um autor que sempre tencionei ler, mas nunca sabia por qual livro devia começar, mas acabei por ver em vários sítios que o melhor seria o Crime e Castigo.
E, agora, posso dizer que foi dos melhores livros que já li até hoje. A razão podia ser muito simples, bastava olhar para o nome do autor e já sabíamos, mas Dostoiésvki é muito mais que apenas um nome.

Ficção, Kundera, Review, Romance

O Livro do Riso e do Esquecimento de Milan Kundera

Milan Kundera nasceu em 1929 na República Checa e vive em França desde 1975. Este autor é considerado um dos grandes escritores do século XX. Toda a sua vida é marcada por transformações políticas, tendo em conta que assistiu à invasão soviética na República Checa; fez parte do partido comunista, de onde foi expulso e readmitido uma série de vezes; e, após a Segunda Guerra, Kundera foi perseguido pelo regime comunista, o que resultou no exílio e viu, assim, os seus livros serem proibidos no país.

Todas estas transformações políticas marcam as obras deste autor, onde podemos encontrar temas como a solidão, a sexualidade, o totalitarismo, o comunismo, o riso; o esquecimento; o exílio; etc. O autor envolve todas estas questões em narrativas que abordam o passado e o futuro das sociedades e, por isso, descreve as situações em torno de um humor e ironia que tanto o define. Três obras deste autor já estão incluídas na minha lista de livros-read. Posso afirmar que um dos melhores livros que já li foi mesmo de Milan Kundera, A Insustentável Leveza do Ser. E como os livros dele nunca desiludem, recomendo-vos, hoje, o último livro que li nestas últimas semanas, O Livro do Riso e do Esquecimento.

Plot Summary:
O Livro do Riso e do Esquecimento é uma narrativa entrecortada de erotismo e imagens oníricas. Em sete partes aparentemente autónomas, o autor lança um olhar agudo e amargo sobre o quotidiano da República Checa após a invasão russa de 1968: as desilusões da juventude, a desorientação dos intelectuais, a prepotência dos líderes políticos, tudo converge para o esquecimento, imposto ou voluntário, individual ou coletivo. Como em A Insustentável Leveza do Ser, o mais famoso romance do autor, Kundera articula de forma admirável, muitas vezes invisível, o destino individual dos personagens e o destino coletivo de um povo, a vida ordinária de pessoas comuns e a vida extraordinária da História.

Foi escrito em 1979 e é considerado um romance que engloba vários ensaios de Kundera e está dividido em sete partes. O que mais gostei neste livro foi a mistura de sentimento que este transmite, pois estamos perante a luta de um homem contra o poder e esquecimento.

O ponto mais interessante deste livro (para mim!) e, por isso, aconselho-vos a ler, é como este nos descreve a sociedade. Afirmando que vivemos numa sociedade pré-estabelecida do que é considerado importante e do que não é e que, por isso, vivemos numa ‘ilusão’ que mais tarde se pode virar contra nós. Kundera faz uma referência ao passado e ao futuro que me ficou na cabeça até hoje, este afirma que o futuro é apenas um espaço vazio e que o passado é um espaço cheio de vida que muitas vezes nos chega a ferir. Nesta fase o autor pega em certas personagens para evidenciar como o passado é cheio de vida e que o presente e futuro são vazios. Para uma melhor compreensão, a personagem Tamina que luta todos os dias contra o esquecimento, o esquecimento do seu falecido marido. A todo o custo, esta tenta recuperar as suas memórias escritas sobre a vida que teve e que já não tem, por mais que tente, todos os dias alguma coisa se apaga. Esta é uma das personagens que marca a experiência do exílio.

A escrita deste livro é muito fluída e penso que isto acontece pelo facto de Kundera recorrer a personagens isoladas para explicar como toda uma sociedade é influenciada pela história de um país. Este cria uma narrativa que engloba eventos históricos e a complexidade do ser humano para lidar com eles.

Espero que tenha contribuído para pegarem, imediatamente, num livro de Milan Kundera!

Merecidas 4 estrelas!

Imagem