Clark, Ficção, Review

The Regulars by Georgia Clark

I didn’t have any expectations when I started this book, but it was a good and explanatory reading.

Plot summary:
A fierce and feisty debut with a magical twist about three ordinary, regular girls who suddenly have their fantasies come true… or do they?
Best friends Evie, Krista, and Willow are just trying to make it through their mid-twenties in New York. They’re regular girls, with average looks and typical quarter-life crises: making it up the corporate ladder, making sense of online dating, and making rent.
Until they come across Pretty, a magic tincture that makes them, well… gorgeous. Like, supermodel gorgeous. And it’s certainly not their fault if the sudden gift of beauty causes unexpected doors to open for them.
But there’s a dark side to Pretty, too, and as the gloss fades for these modern-day Cinderellas, there’s just one question left: What would you sacrifice to be Pretty?

Review:
I think the most important thing it’s the message that this book carries with him. It tells us that we don’t have to be someone else, that we should be ourselves… We don’t have to be afraid to show our opinions, our ideas and mostly what we stand for.

As we follow the three best friends we noticed that this book it’s like a fairytale. But it’s not like the traditional fairytales, because everything they do when they are under the effect of “pretty” turns to disaster. The girls think that because of the prettiness, everything turns fine. But, as time goes, the girls realize they were wrong, totally wrong.

Drama, Ficção, LaPoma

Developing Minds: An American Ghost Story of Jonathan LaPoma

I started reading this book with some high expectations and I must say that those expectations were met.

Plot summary:
Developing Minds: An American Ghost Story follows a group of recent college graduates who struggle with feelings of alienation and their addictions as they try to survive a year of teaching at two dysfunctional Miami public schools.
A poetic and insightful coming-of-age novel, Developing Minds is centered on 24-year-old Luke Entelechy, an aspiring writer who sees his creative output suffer when he begins teaching at one of Miami’s most challenging middle schools. As the year progresses, however, Luke begins to relate to the neglect and abuse his students suffer, and is faced with a “haunting” decision: continue to let his dark past destroy him, or rise above the struggle to realize his potential as an artist and a “real” human being.
Equal parts disturbing and humorous, Developing Minds offers a brutally honest look at the American public school system and the extreme measures many teachers take to cope with working in it.

The book is about a professor named Luke, who is struggling to be successful in the school he’s teaching. He’s got a job in an F school – a problematic school – where he found the most unexpected students that try to be tough on the outside — not because they want, but because they are also struggling at home and trying to fit in the society.

Ficção, Kundera, Review, Romance

O Livro do Riso e do Esquecimento de Milan Kundera

Milan Kundera nasceu em 1929 na República Checa e vive em França desde 1975. Este autor é considerado um dos grandes escritores do século XX. Toda a sua vida é marcada por transformações políticas, tendo em conta que assistiu à invasão soviética na República Checa; fez parte do partido comunista, de onde foi expulso e readmitido uma série de vezes; e, após a Segunda Guerra, Kundera foi perseguido pelo regime comunista, o que resultou no exílio e viu, assim, os seus livros serem proibidos no país.

Todas estas transformações políticas marcam as obras deste autor, onde podemos encontrar temas como a solidão, a sexualidade, o totalitarismo, o comunismo, o riso; o esquecimento; o exílio; etc. O autor envolve todas estas questões em narrativas que abordam o passado e o futuro das sociedades e, por isso, descreve as situações em torno de um humor e ironia que tanto o define. Três obras deste autor já estão incluídas na minha lista de livros-read. Posso afirmar que um dos melhores livros que já li foi mesmo de Milan Kundera, A Insustentável Leveza do Ser. E como os livros dele nunca desiludem, recomendo-vos, hoje, o último livro que li nestas últimas semanas, O Livro do Riso e do Esquecimento.

Plot Summary:
O Livro do Riso e do Esquecimento é uma narrativa entrecortada de erotismo e imagens oníricas. Em sete partes aparentemente autónomas, o autor lança um olhar agudo e amargo sobre o quotidiano da República Checa após a invasão russa de 1968: as desilusões da juventude, a desorientação dos intelectuais, a prepotência dos líderes políticos, tudo converge para o esquecimento, imposto ou voluntário, individual ou coletivo. Como em A Insustentável Leveza do Ser, o mais famoso romance do autor, Kundera articula de forma admirável, muitas vezes invisível, o destino individual dos personagens e o destino coletivo de um povo, a vida ordinária de pessoas comuns e a vida extraordinária da História.

Foi escrito em 1979 e é considerado um romance que engloba vários ensaios de Kundera e está dividido em sete partes. O que mais gostei neste livro foi a mistura de sentimento que este transmite, pois estamos perante a luta de um homem contra o poder e esquecimento.

O ponto mais interessante deste livro (para mim!) e, por isso, aconselho-vos a ler, é como este nos descreve a sociedade. Afirmando que vivemos numa sociedade pré-estabelecida do que é considerado importante e do que não é e que, por isso, vivemos numa ‘ilusão’ que mais tarde se pode virar contra nós. Kundera faz uma referência ao passado e ao futuro que me ficou na cabeça até hoje, este afirma que o futuro é apenas um espaço vazio e que o passado é um espaço cheio de vida que muitas vezes nos chega a ferir. Nesta fase o autor pega em certas personagens para evidenciar como o passado é cheio de vida e que o presente e futuro são vazios. Para uma melhor compreensão, a personagem Tamina que luta todos os dias contra o esquecimento, o esquecimento do seu falecido marido. A todo o custo, esta tenta recuperar as suas memórias escritas sobre a vida que teve e que já não tem, por mais que tente, todos os dias alguma coisa se apaga. Esta é uma das personagens que marca a experiência do exílio.

A escrita deste livro é muito fluída e penso que isto acontece pelo facto de Kundera recorrer a personagens isoladas para explicar como toda uma sociedade é influenciada pela história de um país. Este cria uma narrativa que engloba eventos históricos e a complexidade do ser humano para lidar com eles.

Espero que tenha contribuído para pegarem, imediatamente, num livro de Milan Kundera!

Merecidas 4 estrelas!

Imagem

Christie, Crime, Ficção, Mistério, Review

6 motivos para ler Agatha Christie

Na abordagem a Agatha Christie sou um pouco suspeita, tendo em conta que esta é a minha autora favorita do mundo do crime. Decidi partilhar convosco os motivos porque esta deve fazer parte das vossas estantes.

1. Ela é considerada a Rainha do Crime ou Duquesa da Morte;

2. Vida:

  • nasceu Agatha May Clarissa Miller em 1890, Torquay, Grã-Bretanha.
  • I Guerra Mundial: serviço voluntário num hospital, primeiro como enfermeira e depois como funcionária de farmácia. Esta experiência foi muito importante, porque lhe deu o conhecimento dos venenos que fazem parte dos seus livros.
  • Autora de tantas obras, viu-se reconhecida em 1956, ano em que foi distinguida com o título Commander of the British Empire. E, em 1971, a rainha Isabel II consagrou-a com o título de Dame of the British Empire.
  • Esta morreu em 1976 e, em 2000, foi eleita a melhor escritora de livros policiais do século XX; os seus livros que incluem o Hercule Poirot foram considerados a melhor série policial do mesmo século.

3. Escrita: é possuidora de uma escrita leve, o que faz com a nossa leitura seja bastante fluída. Este fator é bastante importante, faz com que ao acabarmos de ler um livro dela, sintamos logo o desejo de ler o próximo. A partir do momento que se conhece a sua escrita, não se quer outra coisa!

4. O Inesperado:  a autora dá sempre uma volta à história de maneira a que nos torna impossível descobrir quem é o assassino/culpado. Quando alcançamos o final de um livro ficamos sempre a pensar “como é que é possível?”, porque nunca é a pessoa que desconfiamos ser.

5. Personagens mais conhecidas:
Hercule Poirot – quando pensamos nesta personagem vem-nos automaticamente à cabeça o seu famoso bigode. O mais fascinante é que este consegue descobrir o culpado através da psicologia humana, ou seja, este recorre às ações/reações que as pessoas envolvidas na história têm.

Miss Jane Marple – apesar de ser a típica idosa solteirona e de aparentar ser frágil, é uma grande conhecedora do comportamento humano e acaba sempre por desvendar os mistérios que acontecem em seu redor. Esta opera como uma detetive amadora.

6. Preço – hoje em dia um dos grandes fatores para lermos alguma obra é o preço (INFELIZMENTE). Mas uma coisa boa nos livros da Agatha Christie é que, em comparação com outras traduções que encontramos no mercado, os seus livros são em conta. Um livro desta autora pode custar por volta de 10€ e, se forem aos livros de bolso ainda encontram mais barato. Sendo esta uma mais valia tendo em conta que o preço dos livros, atualmente, ronda os 20€.

Eu podia estar aqui a falar sobre ela o dia todo, mas acho que estes 6 motivos são os cruciais para começar a ler a Agatha Christie.