Comédia, Fantasia, Ficção, Review

Bons Augúrios de Neil Gaiman & Terry Pratchett

Plot summary:
Este é o livro mais divertido alguma vez escrito sobre o Armagedão. Não vale a pena reler esta última frase, caro leitor, foi mesmo isso que se quis dizer. «Mas como é que um livro sobre o fim do mundo pode, de algum modo, ser cómico?» Ora aí é que está, caríssimo leitor, a explicação é óbvia – esta obra foi escrita por dois dos mais geniais autores de fantasy da actualidade. Ao sabor das suas endiabradas penas, até o mais inverosímil pode assumir a aparência de algo plausível! Neil Gaiman e Terry Pratchett criaram um texto que, ao fundir a fantasia e a comédia, resulta absolutamente jocoso, satírico inventivo e cheio de sabedoria.

Review:
Crowley, um demónio confuso e o seu velho “amigo” Aziráfalo, um anjo. Ambos vivem entre os humanos há muito muito tempo e quando chega o apocalipse unem forças para o tentar impedir.

No entanto, é errado destacar apenas estes dois. É uma história cheia de personagens peculiares, muito bem construídas e todas elas importantes para o enredo. Cruzamo-nos com demónios, bruxas, caçadores de bruxas, freiras satânicas, Deus e o Anticristo. O Anticristo é uma criança chamada Adão com o seu cão do inferno chamado Cão (um rafeiro atormentador de gatos).
Temos ainda mais personagens secundárias que acrescentam valor à história, houve uma em particular que achei muito engraçada, o carteiro. Ele não entrega simplesmente as encomendas em casa, vai mesmo ao encontro da pessoa esteja ela onde estiver. Numa das suas entregas o destino é “em todo o lado”.

Clássicos, Contos, Dostoiévski, Ficção, Literatura, Review

O Sonho dum Homem Ridículo & O Ladrão Honesto de Fiódor Dostoiévski

Esta edição contém duas histórias, O Sonho dum Homem Ridículo e O Ladrão Honesto. Para ser sincera nem sabia que tinha as duas histórias, no resumo do livro só encontramos a primeira.

O Sonho dum Homem Ridículo é a história de um homem que pensa suicidar-se. Ele tem a certeza de que o quer fazer, mas o encontro com uma menina fez com que não conseguisse parar de pensar nela e deixasse de pensar tanto no suicídio. Este encontro chocou-me bastante devido à forma fria como ele lidou com a menina.

O resto desta história centra-se num sonho que, para ele, foi muito real. O mais interessante neste sonho é que ele acaba mesmo por se matar, no entanto, continua a pensar e a ouvir o mundo à sua volta. Para ele a morte seria uma libertação, mas neste sonho não o é, ele continua consciente após a morte.
Estas experiências alteram a sua forma de ver a vida/morte.

Dostoiévski cria nesta história um cenário utópico em que o sonho aparece para libertar o homem.

Ficção, LaPoma, Review

Understanding the Alacrán by Jonathan LaPoma

Plot summary:
Trying to escape the oppression leading him to drinking, drugs, and despair, 22-year-old William James rejects a teaching position offer at a prestigious Buffalo high school and moves to Mexico to find freedom in its beaches, mountains, and culture.
But soon, this freedom becomes oppressive as well as William finds himself unable to avoid the pull of the wild party scene in the small town of Lila where he lives. He continues a downward spiral until he meets a complex and compassionate Mexican woman whose love inspires him to face the question he’s been avoiding: Is this trip a desperate search for life or a slow death?

Review:
Will, the lead character, rejected a good job to escape from himself and the problems that surround him. He moves to Mexico, but at some point, he notice that nothing is changing. For me, this is the most important message from this book, he realizes the solution was not to run away from his problems because the problems go with you wherever you decide to go.

This history is pretty crazy with all the partying, but I liked Will and I understand that he was just trying to find his place in the world. But as I expected, he falls into a bad life (drinking, girls, and drugs).

One of the things I liked about this book was the descriptions of the places, it really puts you there. The author illustrates and captures the essence of Mexico, we can experience and have a mental image of everything. 

To be sincere, it took me a while to finish this book. Initially, I was thinking that I was in a kind of book slump, but it turns to be something else. This history is so slow paced, in every chapter I was expecting something more, but always continues on the same level. In my mind, at some point, something big was going to happen.

However, I really enjoy the type of writing, it seemed that the author speaks directly to us. So, I rated 3 stars.

This is the second book I have read by Jonathan LaPoma and I will continue to follow his work.
My sincere thanks to the author for sending me the book.

You can find this book here:
Amazon
Book Depository

Fantasia, Ficção, Martin, Review

A Guerra dos Tronos (As crónicas de Gelo e Fogo #1) de George R. R. Martin

Plot summary:
Quando Eddard Stark, lorde do castelo de Winterfell, recebe a visita do velho amigo, o rei Robert Baratheon, está longe de adivinhar que a sua vida, e a da sua família, está prestes a entrar numa espiral de tragédia, conspiração e morte. Durante a estadia, o rei convida Eddard a mudar-se para a corte e a assumir a prestigiada posição de Mão do Rei. Este aceita, mas apenas porque desconfia que o anterior detentor desse título foi envenenado pela própria rainha: uma cruel manipuladora do clã Lannister. Assim, perto do rei, Eddard tem esperança de o proteger da rainha. Mas ter os Lannister como inimigos é fatal: a ambição dessa família não tem limites e o rei corre um perigo muito maior do que Eddard temia! Sozinho na corte, Eddard também se apercebe que a sua vida nada vale. E até a sua família, longe no norte, pode estar em perigo.

Review:
Bem, depois de muito pensar e de ler muitas críticas positivas a esta história decidi ler o primeiro livro.

Neste livro não conhecemos apenas a família Stark e os dramas que estão a enfrentar, mas também conhecemos os Lannister, os Arryn, os Tully, etc… e logo começamos a apercebermos de quem gostamos mais e, para mim, foram mesmo os Stark. A família Lannister irritou-me bastante durante a leitura, ganhei logo um ódio de estimação por eles.