Ficção, Kinsella, Review, Romance

Finding Audrey de Sophie Kinsella

Plot summary:
Audrey can’t leave the house. she can’t even take off her dark glasses inside the house.
Then her brother’s friend Linus stumbles into her life. With his friendly, orange-slice smile and his funny notes, he starts to entice Audrey out again – well, Starbucks is a start. And with Linus at her side, Audrey feels like she can do the things she’d thought were too scary. Suddenly, finding her way back to the real world seems achievable.

Review:
Neste livro conhecemos Audrey e sabemos que alguma coisa de mal lhe aconteceu na escola. No presente, ela sofre de ansiedade social e não consegue sair de casa, nem sequer olhar as pessoas nos olhos e, por isso, usa uns óculos escuros. Ficamos também a conhecer a sua família (a mãe, os dois irmãos e o pai) e também um amigo do irmão, o Linus.

Este livro chamou-me a atenção porque contém um tema que me interessa muito, a saúde mental.
No entanto, estava à espera que o tema fosse mais desenvolvido, ao pormenor, senti que tudo ficou assim a pairar no ar. Primeiro, nunca chegamos a saber o que lhe aconteceu na escola. Nunca chegamos a saber o que desencadeou toda esta história e, para mim, é um ponto crucial; e segundo, a certo ponto do livro parece que tudo está mais direcionado para o irmão do que propriamente para a Audrey.

Em relação às personagens, o Linus, acaba por ter uma relação amorosa com a Audrey, mas senti que ele apareceu um pouco caído do céu. À medida que a leitura ia avançando percebi que está relação não tinha um grande fundamento.
Quanto à família, é muito carinhosa e protetora. A mãe é um pouco eufórica e desatina com qualquer coisa e o pai é uma pessoa mais relaxada.

Vou deixar aqui duas citações que me ficaram na cabeça:
” (…) You look someone straight in the eye and your whole soul can be sucked out in a nanosecond. That’s what it feels like. Other people’s eyes are limitless and that’s what scares me.”

” (…) When we suffer prolonged anxiety, we have a tendency to become self-obsessed. I don’t mean that in a pejorative way (…) It’s simply a fact. You believe the whole world is thinking about you constantly. You believe the world is judging you and talking about you.”

A escrita deste livro é bastante acessível e a história é carinhosa. Acabei por o avaliar em 3 estrelas! Para mim, foi mais uma leitura para passar o tempo.

Podem encontrar o livro aqui:
Book Depository –  Inglês
Wook Português & Inglês 
Ficção, Lichtarowicz

The first book of Calamity Leek de Paula Lichtarowicz

Plot summary:
Books tell you what to believe.
Books explain the world around you.
What if a book had been written to explain a world constructed for you?
What if that world suddenly fell apart?
Calamity Leek needs a new book, but she’s going to have to write it herself.

Review:
Quando acabei este livro a minha primeira reação foi “O QUE É QUE EU ACABEI DE LER?”, mas isto num bom sentido. Não tinha quaisquer expetativas quando comecei ler e acabou por se revelar uma grande surpresa.

Esta história é narrada por Calamity Leek, uma menina que foi criada num ambiente fechado, estranho e muito diferente daquilo a que estamos habituados. Os primeiros capítulos são um pouco confusos, mas a partir do momento em que nos apercebemos do mundo em que a Calamity vive, tudo se torna mais claro.

Comédia, Fantasia, Ficção, Review

Bons Augúrios de Neil Gaiman & Terry Pratchett

Plot summary:
Este é o livro mais divertido alguma vez escrito sobre o Armagedão. Não vale a pena reler esta última frase, caro leitor, foi mesmo isso que se quis dizer. «Mas como é que um livro sobre o fim do mundo pode, de algum modo, ser cómico?» Ora aí é que está, caríssimo leitor, a explicação é óbvia – esta obra foi escrita por dois dos mais geniais autores de fantasy da actualidade. Ao sabor das suas endiabradas penas, até o mais inverosímil pode assumir a aparência de algo plausível! Neil Gaiman e Terry Pratchett criaram um texto que, ao fundir a fantasia e a comédia, resulta absolutamente jocoso, satírico inventivo e cheio de sabedoria.

Review:
Crowley, um demónio confuso e o seu velho “amigo” Aziráfalo, um anjo. Ambos vivem entre os humanos há muito muito tempo e quando chega o apocalipse unem forças para o tentar impedir.

No entanto, é errado destacar apenas estes dois. É uma história cheia de personagens peculiares, muito bem construídas e todas elas importantes para o enredo. Cruzamo-nos com demónios, bruxas, caçadores de bruxas, freiras satânicas, Deus e o Anticristo. O Anticristo é uma criança chamada Adão com o seu cão do inferno chamado Cão (um rafeiro atormentador de gatos).
Temos ainda mais personagens secundárias que acrescentam valor à história, houve uma em particular que achei muito engraçada, o carteiro. Ele não entrega simplesmente as encomendas em casa, vai mesmo ao encontro da pessoa esteja ela onde estiver. Numa das suas entregas o destino é “em todo o lado”.

Clássicos, Contos, Dostoiévski, Ficção, Literatura, Review

O Sonho dum Homem Ridículo & O Ladrão Honesto de Fiódor Dostoiévski

Esta edição contém duas histórias, O Sonho dum Homem Ridículo e O Ladrão Honesto. Para ser sincera nem sabia que tinha as duas histórias, no resumo do livro só encontramos a primeira.

O Sonho dum Homem Ridículo é a história de um homem que pensa suicidar-se. Ele tem a certeza de que o quer fazer, mas o encontro com uma menina fez com que não conseguisse parar de pensar nela e deixasse de pensar tanto no suicídio. Este encontro chocou-me bastante devido à forma fria como ele lidou com a menina.

O resto desta história centra-se num sonho que, para ele, foi muito real. O mais interessante neste sonho é que ele acaba mesmo por se matar, no entanto, continua a pensar e a ouvir o mundo à sua volta. Para ele a morte seria uma libertação, mas neste sonho não o é, ele continua consciente após a morte.
Estas experiências alteram a sua forma de ver a vida/morte.

Dostoiévski cria nesta história um cenário utópico em que o sonho aparece para libertar o homem.